sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Dia 01 - Timbó a Pomerode - 22/12/2013

O primeiro dia...
http://cicloturismo.circuitovaleeuropeu.com.br/roteiros/

A decisão de ficar no Irias Hotel se deu a atenção que o Sr. Almir dispensou logo no primeiro contato. O hotel é muito limpo e o Sr. Almir fez jus a primeira impressão nos tratando com muito carinho e nos dando muitas informações para o percurso. Achei muito interessante que nos deu inclusive um contato de "resgate" caso tivéssemos pane nas bikes. Abaixo foto do hotel e do contato que nos deu:







Saímos meio perdidos, em direção ao Thapioka. Lá, perguntamos a algumas pessoas onde iniciava-se o caminho e percebemos que ninguém sabia. No entanto, foi descuido meu, visto que todas as informações constam no site e no manual entregues no dia anterior, junto com as credenciais. O início está logo atrás do restaurante e de lá partimos umas 09:30 hrs. 


Caso quiser ver as imagens em tamanho real, basta clicar sobre elas. 






Á partir daqui basta prestar atenção e seguir as setas AMARELAS! Isso por que as setas BRANCAS estarão no caminho para os mochileiros.



Logo que saímos da cidade para as estradas rurais, começamos a cruzar com arrozais em grande quantidade por aqui e, de acordo com moradores locais, lavouras pertencentes a famílias italianas. As paisagens são realmente de tirar o fôlego!








Ao pararmos para a foto abaixo, uma família que estava fazendo um churrasco na ponte de madeira logo atrás, nos perguntou se gostaríamos de almoçar com eles. Rimos, agradecemos, mas não aceitamos, afinal, pedalar depois de um churrasco não seria fácil. 




Na chegada do Rio Ada, uma parada estratégica para a refeição e a preparação psicologia para a primeira grande subida do percurso, distribuída em aproximadamente 4 km mas com uma inclinação de assustar... consegui fazer pedalando :) ! Considerei isso um bom sinal, visto que pelo que li sobre o primeiro dia, dará para ter uma boa ideia da beleza e dificuldade do restante do percurso. E todo esforço tem a sua recompensa, neste caso é um de arrasar! Lá de cima, uma nova parada para curtir o visual.





Estava ansiosa por conhecer algum ciclista, mas este vinha ao nosso encontro. Seu nome é Guilherme, mora em Florianópolis. Ele disse que no segundo dia acabou se perdendo, por seguir a seta branca, e sentiu que não estava muito preparado fisicamente para continuar. Devido a isso e estava voltando para pegar o carro em Timbó. Iria pular direto para o quinto e sexto dia. Fiquei com medo do que ainda viria pela frente



Uma parte da subida, é com mata fechada, muito bonita!



No topo nos apercebemos que a água estava acabando, devido ao calor e aos efeito da subida. Pedimos numa casa que logo nos apontou uma mangueira com água de uma fonte próxima.


Na descida até Pomerode, alias que descida, começa a Rota Enxaimel que trata-se de construções com madeira e alvenaria, e também é uma recompensa.







Chegamos em Pomerode debaixo de chuva. Fomos até uma praça, logo em frente a última flecha de sinalização deste dia, e aproveitamos uma árvore para nos proteger e comer. 


E uma voltinha antes de ir para o hotel...







Fomos então para a Pousada Max, onde já havíamos feito a reserva. Ele fica no centro da cidade, uns 5 km depois do final do primeiro dia. Chegamos razoavelmente cedo, umas 16 hrs. O hotel não é propriamente barato, mas é bem localizado e muito limpo.



Após um banho, vamos conhecer a cidade com mais calma, que é muito simpática, e aproveitamos para dar um pulo no famoso Zoo, que aliás, valeu muito a pena!


















 





Umas 19 hrs fomos então ao único restaurante aberto neste dia, Pierrot, o que não era bem um restaurante e sim uma sorveteria que também vende lanches, sopas e batata recheada. Comemos uma sopa conhecida como 'Vaca atolada' e batatas recheadas, que estavam muito gostosos!





Depois de um longo e delicioso passeio é hora de voltar para o hotel descansar para nosso segundo dia de ciclo...

Previsão do Tempo:





Nenhum comentário:

Postar um comentário